UNIDADE DE NEGÓCIOS

Viasoft Connect Connect Week

Bom funcionamento dos pneus requer manutenção constante

17 de setembro de 2010



Segundo o responsável pelo departamento técnico da Yokohama, Gustavo Loeffler, é recomendado verificar constantemente o estado dos pneus e a existência de bolhas, cortes ou desgastes irregulares, que comprometam o seu bom funcionamento e a segurança do carro. “É importante verificar a calibragem correta, seguindo sempre a orientação do fabricante do veículo para cada situação de carga. A calibragem deve ser feita com os pneus frios, ou que tenham rodado no máximo um quilômetro em baixa velocidade”, explica, lembrando que informações sobre pressão estão dispostas usualmente nas etiquetas de identificação localizadas na coluna da porta do motorista ou passageiro, na tampa do tanque de combustível, no porta luvas ou no manual do veículo.

De acordo com ele, é necessário sempre utilizar tampas nas válvulas, para diminuir o risco de vazamentos. “Para reduzir a chance de problemas, é interessante calibrar dois ou três dias antes de viajar, pois em caso de vazamento a chance de detecção é maior e é possível salvar o pneu de um dano irreversível”, alerta.

Existe ainda a profundidade mínima de 1,6 mm indicada por lei, que pode ser verificada observando os indicadores T.W.I. no fundo dos sulcos dos pneus. Quando esses blocos ficam aparentes e nivelados com o restante do desenho, significa que o pneu atingiu sua profundidade máxima de utilização e deve ser substituído. “Não é recomendada a resulcagem de pneus de passeio, pois sua estrutura não prevê esse tipo de serviço. Isso sem contar que veículos equipados com pneus com profundidade abaixo do mínimo podem ser apreendidos pelas autoridades policiais, gerando multas e transtornos para o usuário, além do maior risco de causar acidentes”.

De olho também na parte mecânica

Componentes de suspensão e transmissão também podem interferir no bom funcionamento dos pneus. Folgas em buchas, terminais, amortecedores e molas inoperantes, falta de alinhamento e rodízio são alguns dos itens que aceleram o desgaste. “Qualquer folga acima do tolerado causa movimentação excessiva da suspensão e compromete o seu perfeito funcionamento, provocando desgastes nos pneus, além de problemas de comportamento direcional, afetando a segurança e estabilidade do veículo”, diz o técnico da Yokohama.

Para ele, é imprescindível verificar se o modelo de pneu escolhido atende a necessidade do usuário, uma vez que pneus com características esportivas podem causar desconforto ao rodar se utilizados por motoristas que privilegiam conforto, e vice-versa. “Recomendo consultar sempre um técnico capacitado para escolher o melhor modelo para cada finalidade, assim o resultado sempre será positivo. Não existe mágica, a promessa de quilometragens altíssimas deve ser cuidadosamente observada, pois diversos fatores interferem no desgaste de um pneu além dos fatores mecânicos e de manutenção mencionados, como forma de condução, topografia e temperatura de cada região, tipo de utilização, características mecânicas de cada veiculo entre outros. Informações: 0800-7040606 – www.yokohama.com.br

Contato