UNIDADE DE NEGÓCIOS

Viasoft Connect Connect Week

SJSP repudia manuais em redes sociais para jornalistas

19 de maio de 2011


Redação Portal IMPRENSAO Sindicato dos Jornalistas de São Paulo emitiu uma nota, na última quarta-feira (18), em que repudia a adoção de manuais e guias com diretrizes para o uso das redes sociais por jornlistas.

Segundo a entidade, estes guias servem para cercear a liberdade de expressão dos jornalistas no uso das redes sociais. “O Sindicato acredita que decisões como estas não coadunam com os discursos liberais dos empresários de comunicação, que se consideram os detentores da liberdade de expressão, mas que na prática amordaçam seus profissionais” declara a nota publicada no site.

Foram citados casos recentes, em que jornalistas foram demitidos ou punidos por declarações feitas em redes sociais. Um desses casos é o do jornalista Alec Duarte, da Folha de S. Paulo, e de Carolina Rocha, do Agora SP. Os dois foram demitidos por postar comentários no Twitter. Os tuites criticavam os procedimentos realizados pelos veículos durante a cobertura do falecimento de José Alencar. Demitido da editora Abril, por criticar uma matéria da revista Veja, Felipe Milanez, editor da revista National Geographic Brasil, ligada à Abril, também foi demitido.

UOL, Globo e Folha de S.Paulo adotaram manuais que regulamentam o uso institucional das redes sociais. Algumas das orientações passadas são: evitar posições partidárias e políticas, não antecipar o conteúdo de reportagens que serão publicadas, e não fazer declarações sobre os bastidores das redações.
Meios de comunicação internacionais também criaram sua própria legislação como a Reuters, Associated Press, Wall Street Journal, New York Times, Washington Post, ESPN e Bloomberg. O manual com melhores práticas para jornalistas em redes sociais, pode ser baixado no site da ASNE, associação nacional de editores de notícas dos EUA.
Sem contrapartida

Guto Camargo, presidente do sindicato, explica o posicionamento da entidade contra os manuais para as redes. “Hoje, com o forte impacto que a internet tem, as empresas obrigam os jornalistas a produzir conteúdo para a internet. Com isso, a empresa agrega valor e prestígio para seu veículo, mas não há contrapartida financeira para o jornalista”, explica. “Agora querem regular a priori o que é publicado nas redes”.

Com a internet, o controle da informação ficou mais difícil, pois não necessariamente passa pelo crivo editorial dos veículos, como sempre aconteceu com os impressos. Para Camargo, a intenção desses manuais é controlar a informação. “A internet abriu um novo flanco, onde o jornalista pode escrever algo sem o crivo da empresa, podendo publicar algo que o jornal não publicou. Hoje ele pode divulgar informações que o jornal se recusaria por meio destas novas tecnologias.Os manuais impedem a possibilidade do jornalista de divulgar de forma independente.”

Por fim, ele reitera que a responsabilidade por possíveis transgressões na prática jornalística não deve ser transferida para a empresa, mas sempre ser balizada pelo Código de Ética. “Todo jornalista deve seguir o Código de Ética e estar ciente que tem responsabilidade pelo que publica. Tem que se pautar pelo parâmetros éticos. Isso a sociedade e o leitor pode, e deve, cobrar”.Por fim, Camargo diz não concordar com a dinâmica e sua eficácia no combatre às infrações. “Primeiro deve-se responsabilizar devidamente quem publica e punir a transgressão se for necessário. O direito de liberdade do jornalista implica no dever de arcar com as conseqüências do que divulgar. Isto é uma prerrogativa do jornalista e não da empresa.”

Fonte: portal Imprensa

Contato