UNIDADE DE NEGÓCIOS

Viasoft Connect Connect Week

Mercado gráfico sente abalos da crise internacional

11 de agosto de 2010


 

Mesmo com projeções positivas no setor gráfico para os próximos meses, divulgadas pela Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), empresas do segmento não passam despercebidas pela crise financeira. Com o aumento do dólar a principal matéria-prima das gráficas, a celulose, sofre oscilações para cima no seu valor, dificultando o planejamento operacional das empresas. “Esta alteração no preço da celulose não era esperada em um prazo tão curto, agora temos que nos adaptar aos custos e minimizar o impacto aos clientes”, diz Raphael Manzoni, diretor da Gráfica Comunicare.

Segundos dados da Abigraf, a expectativa de crescimento para até seis meses é de 1,25%, ocasionando uma expansão no número de empregos na margem de 4,1% e de investimentos, em 33,7%. Para Manzoni, o mercado se mantém aquecido devido à época do ano e aos pedidos fechados anteriormente. “O trabalho da gráfica mantém o ritmo porque temos um cronograma definido há algum tempo e o período de festas e de final de ano aumenta, naturalmente, a demanda. Mas, já percebo a diminuição na solicitação de orçamentos e de recursos mais modernos de impressão”, diz Manzoni complementando que, em virtude da crise, novos investimentos em equipamentos acessórios planejados anteriormente pela empresa serão adiados. “Acabamos de adquirir uma impressora importada de última geração, a RYOBI 754, que requer outras máquinas periféricas, mas esse não é o momento ideal”. O setor gráfico é considerado um termômetro do mercado, se as empresas investem em impressos promocionais, comerciais, documentos fiscais e embalagens, significa que possuem recursos e resultados em decorrência da realização de suas atividades.

Com a diminuição da procura, a aposta é diversificar e pulverizar o serviço. Uma das alternativas encontradas pelo Grupo Comunicare foi o investimento no braço digital, com o estabelecimento de lojas em shoppings da cidade, como o Palladium e o São José (com previsão de inauguração em dezembro). “É uma forma de atendermos outro mercado, o de consumidores finais, que precisam de opções rápidas e práticas ligadas ao nosso serviço. Além disso, foi estratégico estarmos em shoppings centers, que reúnem um número grande de pessoas e possuem maior flexibilidade de horários”, finaliza Manzoni.

Contato