UNIDADE DE NEGÓCIOS

Viasoft Connect Connect Week

A imprensa anti-investigativa

30 de maio de 2011


CASO PIMENTA NEVES
Por Júlio Ottoboni em 25/5/2011

A prisão do ex-diretor de redação do jornal O Estado de S.Paulo, Antonio Pimenta Neves, expos tanto a morosidade do sistema judiciário nacional, as pressões populares e da categoria dos jornalistas por uma solução para a questão, como a ausência do vigor investigativo da imprensa quando o assunto envolve seus pares.

É de conhecimento geral que houve, na época, um acordo entre os jornais de grande circulação para não noticiarem o caso. Mas um deles, o Valor Econômico – salvo engano – deixou de se alinhar ao conluio contra a liberdade de imprensa e de informação e obrigou aos outros a revisarem suas posições. Pois estariam tomando “furo” nacional de um jornal de economia, que recebeu a informação graças a um repórter plantonista que já tinha atuado em outros tempos na editoria de polícia de outro veículo.

Folclore

O folclore corre solto no caso Pimenta Neves. Há inclusive versões propositalmente plantadas pelas mais diversas fontes para confundir e despistar uma possível investida nos fatos. A verdade provavelmente nunca surgirá por completo e a tese do crime passional, pelo visto, foi a que mais circulou e se estabeleceu definitivamente no senso comum. Então Pimenta Neves matou premeditadamente Sandra Gomide, sua ex-namorada e editora demitida por ordem dos Mesquitas da Economia do Estadão, tomado por sua paixão.

Uma teoria um tanto quanto estranha, acatada pela conveniência em se aceitar algo que explicasse – mesmo parcialmente – o comportamento de um assassino que planejou minuciosamente a execução dentro de um haras em Ibiúna. Esse então seria o criminoso passional que todos passaram a aceitar de maneira inconteste. O premeditado, planejado, passou então ser atitude passional, carregada de emoção e sentimentos conflituosos.

Só faltou neste caso a imprensa aderir sem ressalvas aos que acreditam em gnomos, duendes, Papai Noel, coelhinho da Páscoa etc. Investigação séria a respeito do assunto, nada. A revista Veja ensaiou e parou na primeira reportagem, sem adotar outras hipóteses para a motivação criminosa. Enfim, quem é do meio jornalístico sabe que vários colegas procuraram o senhor Pimenta Neves para mostrar sua solidariedade ao “colega e não ao criminoso”. Inclusive um deles o escondeu logo após o crime em sua residência para evitar o flagrante.

Homicídio doloso qualificado

Mas da maneira mais cômoda possível aceitamos e, de certa forma, consolidamos o posicionamento de crime motivado por forte emoção. Por um homem tomado pela dor de uma paixão juvenil, abandonado e traído por sua amada e inebriado por uma ebulição de sentimentos, que parte para lavar sua honra a sangue. Imaginar que foi isto a motivação de Pimenta Neves, um advogado que ingressou na década de 60 no jornalismo, com uma carreira repleta de altos cargos e salários, inclusive no exterior, é ser ingênuo ou mal intencionado.

Ainda é possível investigar corretamente esse crime, apesar do tempo ter sepultado grande parte das evidências para uma outra hipótese motivadora. O que espanta é a facilidade com que grande parte da imprensa se escondeu e se acovardou diante desta história. A ferocidade da prática de acusar, julgar e condenar prematuramente, tão comum nos casos que chegam às redações, foi abandonada neste homicídio doloso qualificado. Novamente vamos criar novelas mal acabadas mostrando os pais da vítima, a revolta dos amigos, as declarações do assassino, e ficaremos por aí. Nossa covardia nos impediu inclusive de discutir e remodelar as relações pessoais no cotidiano dos jornalistas. Mas isto é lá outra história!

Fonte: Observatório da Imprensa

Contato